Select Page

Mês: janeiro 2012

O fim do crescimento econômico?

A economia internacional apresentou a maior recessão dos últimos 75 anos em 2009, quando o PIB mundial caiu 0,7%, enquanto a população crescia em torno de 1% ao ano. Muitos analistas passaram a questionar a capacidade de retomada da economia. Mas no ano de 2010, segundo dados do FMI, a economia mundial cresceu 5,2% e animou os otimistas que viam a recessão de 2009 apenas como um ponto fora da curva. No iníco de 2011 várias consultorias internacionais lançaram relatórios com projeções elevadas de crescimento econômico até 2050. A idéia geral é que a economia internacional cresceria em torno de 4% ao ano, sendo 2,5% para as economias avançadas e 6% ao ano para as economias emergentes. Neste cenário otimista haveria convergência de renda entre os países ricos e pobres já que os segundos cresceriam bem mais do que os primeiros. Os fatores demográficos ajudariam, pois enquanto as economias avançadas apresentam uma população envelhecida, os países emergentes ainda podem colher os frutos do bônus demográfico de uma estrutura etária jovem. Porém, o ano de 2011 não apresentou o desempenho esperado e a economia mundial cresceu abaixo de 4%, apresentando forte desaceleração no último trimestre do ano. A crise ficou particularmente forte na Europa e nos países chamados PIIGS (Portugal, Irlanda, Itália, Grécia e Espanha). Além disto, existe muitas dúvidas sobre a possibilidade de continuidade do Euro. O fim da...

Read More

Há defesas e defesas, em Pinheirinho

Há defesas e defesas. Na realidade, uma das grandes jogadas da inteligência humana é criar sistemas de premissas – em casos mais exagerados, dogmas –  que sirvam de base para qualquer tipo de defesa, ou ataque. Muitos, inclusive, servem ao mesmo tempo para defesa e ataque. Sistemas de premissas são suficientemente amplos e orgânicos, de tal sorte que posso escolher um subconjunto de premissas para atacar e outro subconjunto de premissas para defender. Ambas pertencem ao mesmo sistema, o que mantém a lógica toda da coisa. Simples, banal, todo mundo sabe disso. Mas como tudo criado pelo ser humano é sempre um sistema aberto, as falhas acontecem; e é possível perceber que subconjuntos de premissas tidos por orgânicos – usados para ataque e defesa – não são assim. É o caso da recente e ainda quente reintegração de posse de Pinheirinhos, em São José dos Campos, SP, levada a efeito da maneira como todos puderam acompanhar. O subconjunto de premissas usado também é conhecido como sistema jurídico. É um poderoso sistema de ataque e defesa, contendo, inclusive, potentes premissas de autoproteção, como, por exemplo, o “tudo deve ser feito para manter a segurança jurídica”. Em nome da segurança jurídica usa-se o argumento de que “lei é lei, ordem de juiz é ordem de juiz”. “A Justiça decide e manda o oficial de Justiça fazer o cumprimento da ordem judicial.”...

Read More

A opressão do Rio Tietê

“Do rio que tudo arrasta se diz que é violento, mas ninguém diz violentas as margens que o oprimem”. Bertolt Brecht No dia 25 de janeiro de 2012 São Paulo comemora 458 anos sendo a cidade mais populosa e mais rica (em tamanho do PIB) do Brasil. Quando foi inaugurada, em 1554, era apenas uma pequena e pobre vila em torno do colégio jesuíta de Piratininga, instalado entre os rios Anhangabaú e Tamanduateí, afluentes do Rio Tietê, palavra que na língua Tupi quer dizer “água pura” ou “água verdadeira”. O Rio Tietê tem uma peculiaridade interessante. Ele nasce bem perto do litoral, mas devido à barreira da Serra do Mar, corre para o interior. Isto possibilitou que, por seu curso, os Bandeirantes conseguissem penetrar o interior do Brasil e expandissem as suas fronteiras. Por exemplo, a atual cidade de Ouro Preto está mais perto do Rio de Janeiro do que de São Paulo, mas foram os Bandeirantes que descobriram o ouro e colonizaram a Vila Rica de Minas Gerais. Mas, fundamentalmente, o Rio Tietê e seus afluentes foram essenciais para o desenvolvimento da capital paulista na medida em que forneciam – além de peixes – água pura e verdadeira para o crescimento da população, da agricultura, do comércio e da industria da cidade. Também existem diversas represas e usinas geradoras de energia ao longo da bacia hidrográfica. São Paulo...

Read More

Como acabar com a fome no mundo?

De acordo com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) existiam 925 milhões de pessoas com fome ou em situação de insegurança alimentar no mundo, em 2010, o que correspondia a 13% da população mundial. A escassez de alimentos e a desnutrição acontece no meio da abundância de bens e serviços na economia internacional. A humanidade já possui todas as armas para vencer a fome e já existem diversas soluções pensadas, mas falta colocar em prática. Vejamos algumas alternativas para acabar com a fome no mundo: Uma primeira alternativa seria a eliminação ou, pelo menos, a redução dos gastos militares no mundo que estão na ordem de US$ 1,6 trilhão de dólares ao ano. Este dinheiro seria suficiente não só para acabar com a fome como para reconstruir áreas cultiváveis degradadas. Existem alguns milhões de homens e milhares de mulheres que passam a vida ativa na caserna fazendo trabalhos inúteis ou preparando guerras e ações militares que provocam mortes e danificam o meio ambiente. Se os recursos financeiros e humanos usados em gastos militares forem redirecionados para atividades produtivas a fome poderia ser eliminada, a educação e a saúde poderiam avançar, etc. Além de tudo, o movimento pacifista mundial agradeceria. Uma segunda alternativa seria utilizar apenas fontes vegetais de nutrientes na alimentação. Os vegetais são seres vivos que produzem a sua própria alimentação (por meio da fotossíntese)...

Read More

Sobre amizades coaguladas e conceitos vencidos

Amizade é um bicho estranhamente necessário. Se correr, ela te pega. Se ficar, ela te preenche. Quem tem amigo sabe como pequenos momentos de partilha e gargalhadas sobre temas banais de mínimas resoluções são capazes de aplacar dores insuportáveis.   Sempre precisei de bons amigos que soubessem executar sua presença com competência. Eles vinham com seus detalhes infantis fazer parte da minha carência de filho único. Dividíamos jogos, revistas, livros, sorrisos. Mamãe preparava uma sopa mais colorida que suculenta para garantir que nossa amizade estivesse bem nutrida. Quando os assuntos de adulto foram infiltrando-se na minha consciência adolescente, e uma sombra corrosiva de inadequação começou a invadir minha disposição para uma vida comum, os amigos estavam lá para compartilhar carnavais insuportáveis, programas de TV medíocres e minha morna tentativa de buscar a indiferença; eles também estavam lá (lado, dentro, próximos e profundos) quando eu não conseguia parar de chorar por tudo que não dava certo. Eu estava me tornando uma área alagada com emoções venenosas; mas eles sabiam como mergulhar em mim.    Mas claro que é preciso definir termos e adequar expectativas. A expectativa é aquela força iluminada e também amaldiçoada que te faz esperar sempre mais do que é pequeno e, às vezes, infrutífero. Nem todas as pessoas que dividem com você risadas e opiniões forçadas e pretensiosas sobre seus próprios (e questionáveis) talentos é um grande...

Read More