Versão de “Atirei o pau no gato” segundo Dostoiévski (2)

II. O Julgamento Chica Chiconovna Franciscaia era uma mulher temente a Deus, de constituição frágil e seu tanto histérica. Vira no episódio uma significação transcendente, como se fosse todo ele uma resposta divina a seus pensamentos anticristãos. Porém, tendo pouca coragem e, ainda por cima, um amor-próprio cheio de autocomplacência, apesar de se sentir culpada, teve […]

Continue reading “Versão de “Atirei o pau no gato” segundo Dostoiévski (2)”

Da ética pública aplicada às relações amorosas

– Você? Sua canalha! O que é que você tá fazendo aqui? – Simples, Adelson. Andei analisando o cenário político nacional durante um bom tempo e acho que eu mereço uma segunda chance. – Uma oitava chance, você quer dizer. Porque, até onde eu sei, você me traiu sete vezes enquanto estivemos casados! – Sete e meia, Adelson, […]

Continue reading “Da ética pública aplicada às relações amorosas”

Aquela música

– Como é mesmo aquela música? – Que susto! Como é que você me acorda com um berro desse no meio da noite, Arnaldo? Quer me matar? Meu Deus! – (acendendo o abajur) Não consigo lembrar daquela música! – Que música, Arnaldo? Jesus! Olha aí, meu coração tá acelerado! – Aquela música, aquela que faz assim: tum, tim, tum. – […]

Continue reading “Aquela música”

Culpa

– Não fica assim, Almeida. Olha pra mim. Em que é que cê tá pensando? – No Moisés. – Ih, ih, ih, que nome esquisito pra se colocar no pinto! – Não, Moisés, o patriarca, o que abriu o Mar Vermelho. Tô pensando nele. – Já vi o sujeito virar religioso após calamidades, Almeida, mas depois de uma brochada […]

Continue reading “Culpa”

De como passei por uma experiência metafísica

Marido dedicado que ama a mulher e, sobretudo, a pele que reveste o próprio corpo, tirei o dia de ontem para montar uma estante de ferro, a qual, geniosa e leitora de Thoreau, se recusava terminantemente a ser montada, propugnando pela desobediência à engenharia civil. Dispenso entrar em detalhes sobre a luta travada contra o pérfido […]

Continue reading “De como passei por uma experiência metafísica”

O subpensamento vivo de Marconi Leal (9)

Militância política é a arte de vestir a camisa do partido e seguir destemidamente para a luta, deixando o cérebro em casa. * O segredo para o casamento dar certo, em pleno século XXI, é a contratação de uma boa diarista. * A questão fundamental não é, propriamente, saber se existe vida após a morte, mas sim se, nela, […]

Continue reading “O subpensamento vivo de Marconi Leal (9)”

Maturidade

Talvez a observação seja apenas fruto de um filho único que, quando pequeno, se entregava a atividades tão producentes, enérgicas e brilhantes quanto passar a maior parte das horas do dia em semiletargia, admirando o nada e pensando não apenas na morte, mas no ataúde, no cortejo fúnebre, nas exéquias, nas coroas de flores, no […]

Continue reading “Maturidade”

Nunca aproximar de ímãs

Demorei tanto tempo para aparecer por aqui porque estava, como sói acontecer com intelectos profundos como o meu, envolvido com uma questão ontológica do mais alto significado, cuja solução poderá alterar o destino humano ou, quando menos, o de advogados e outros animais inferiores. Ao me deparar com tal problema, fiquei intrigado como Champollion diante da […]

Continue reading “Nunca aproximar de ímãs”

Pela pena de morte para garrafas de cerveja

Sempre atentos aos ingentes problemas nacionais e, sobretudo, detectando maneiras precisas de combatê-los, o governo e o Congresso encontraram um jeito infalível de acabar com os acidentes nas estradas motivados por embriaguez, proibindo estabelecimentos comerciais de venderem bebidas alcoólicas às margens das BRs. Enquanto países atrasados e lassos quanto a normas públicas utilizam do expediente bizantino […]

Continue reading “Pela pena de morte para garrafas de cerveja”