Marcelo Coelho entre hermanos

Quando o Ipsis Litteris ainda engatinhava pela web, escrevi sobre o disco Colagens, do capixaba Marcelo Coelho. Na época considerei o disco obra-prima. Mantenho a opinião e, de tanto ouvi-lo, lidero uma campanha solitária (mas não silenciosa) por um novo trabalho deste que é, sem qualquer possível dúvida, um dos grandes do sax tenor da cena jazzística brasileira.

Continue reading “Marcelo Coelho entre hermanos”

A Vitória do Jazz (uma crônica doméstica)

Certa noite, após uma soberba apresentação do pianista Fats Waller, uma honrada senhora dirigiu-se a ele e perguntou o que era o jazz. Ele teria respondido, com a língua tão veloz quanto seus dedos: se a senhora tem de perguntar o que é o jazz, então esqueça.

Continue reading “A Vitória do Jazz (uma crônica doméstica)”

Bach, Rueb, variações

Dizem que a Suíça só proporcionou ao mundo os relógios. Dizer isso é banalizar a importância de Calvino, do iluminista Jota Jota Rousseau e, em menor importância, do chocólatra Henri Nestlé. Coloco mais um nessa lista: Franz Rueb, pesquisador musical autor do livro que leio, 48 Variações sobre Bach.

Continue reading “Bach, Rueb, variações”

Stones & Ethan Russell

Acho que Shine a Light, documentário em que Martin Scorsese escorre seu olhar pelos Stones, podia ser mais incandescente, mais polêmico, mas acredito que a proposta do cineasta ítalo-americano fosse aquela que, de certa forma, surpreendeu a maioria dos seus fãs (da banda, do cinema): retratar e entreter. A bem da verdade, quem quer saber […]

Continue reading “Stones & Ethan Russell”

Macalé & os Batutas

Elton Medeiros e Jards Macalé, dois ases da música, conversavam animadamente diante de uma câmera quando liguei a tevê. Peguei o papo já na metade de uma conversa saborosa, principalmente porque o assunto era Nelson Cavaquinho. Não sei se meus leitores curtem samba. Não importa: o Ipsis Litteris reserva espaço para as críticas – e […]

Continue reading “Macalé & os Batutas”

Grease, musical, Balzac

Grease faz trinta anos. Equivaleria a um homem adulto, responsável, uns dois filhos, esposa dedicada, emprego estável. Poderia equivaler, numa outra possibilidade, ao homem que se diverte, embebeda-se em fins-de-semana, cambia fêmeas com os amigos, tem carrão e não pensa em futuro. Ambas as hipóteses – tão aparentemente distintas entre si – têm um ponto […] Continue reading “Grease, musical, Balzac”

Hawk, Bean: Jazz

Há 39 anos morria aquele a quem denominaram o pai do sax tenor. Aquele a quem chamavam de Hawk, de Bean, cuja expressão sonora confunde-se com o próprio instrumento em toda a sua extensão e alcance. Coleman Hawkins criou uma linguagem – algo de que poucos (alguns, escolhidos) são capazes, na música. Aliás, na vida. Após […]

Continue reading “Hawk, Bean: Jazz”

Este é Sammy Davis, filho!

Ele era baixinho, negro, convertido (numa atitude polêmica) ao judaísmo, caolho e era, freqüentemente, chamado de show-man ou entertainer. É uma definição resumitiva demais para um dos maiores cantores norte-americanos, um mestre do sapateado, ator, dançarino e dono de um charme irresistível às mulheres, principal e paradoxalmente às louras altas. Esse é Sammy Davis, Jr., […]

Continue reading “Este é Sammy Davis, filho!”