Impromptu: Por que hoje é sábado, ou Duas Homenagens


Interlúdio estético em dias à clarineta e à espera de novo fôlego literário

Continue reading “Impromptu: Por que hoje é sábado, ou Duas Homenagens”

O Grande Livro Doente de Machado de Assis

Memorial de Aires não é considerado um dos principais romances de Machado de Assis. A maioria fica com Dom Casmurro ou Brás Cubas e com o irretocável mosaico de contos. Até compreendo, mas prefiro o delicado Memorial. Provavelmente estou errado, pode tratar-se de simples idiossincrasia, mas vou tentar explicar minha opinião de experiente leitor do Bruxo de Cosme Velho.

Continue reading “O Grande Livro Doente de Machado de Assis”

Um Fígado para Roberto Bolaño (II)

E então, após sua morte, os livros de Bolaño começaram a vender cada vez mais. Há vários blogs literários de língua espanhola que dedicam parte ou sua totalidade a homenagear e discutir sua obra, Os Detetives Selvagens e Estrella Distante são os preferidos dos cyber-leitores. Muitos deles traçam linhas de continuidade e conexões entre Os Detetives e O Jogo da Amarelinha ou Adán Buenosayres de Leopoldo Marechal.

Continue reading “Um Fígado para Roberto Bolaño (II)”

Um Fígado para Roberto Bolaño (I)

Alguns o vêem como o sucessor de Borges e Cortázar, outros como um autor intranscendente e chato, porém, indiferente a quaisquer avaliações, segue engrossando o culto a Roberto Bolaño na América de língua espanhola.

Continue reading “Um Fígado para Roberto Bolaño (I)”