Limites ampliados para Selvagens Pensadores


Limites ampliados para Selvagens PensadoresA partir da próxima semana, a equipe de editores d’O Pensador Selvagem estará selecionando blogueiros e articulistas para completarem nosso time, preenchendo algumas lacunas que ainda existem em nosso portal.

O critério de seleção para inclusão dos mesmos será o de sempre: possuir um pensamento extraordinário, desviante, libertário, sedento de novidade mas atento à tradição cultural, um pensamento que lida bem com a diversidade e que se anima com o bem-estar do outro, quer seja alguém com pensamento afim, quer seja alguém com pensamento diverso. Um selvagem e respeitoso pensador, um alguém ecocentrado que percebe que o todo é maior que a soma de suas partes e que o progresso não é sinônimo de exploração indiscriminada da natureza para produzir bens de consumo tampouco a intensificação da exploração do homem pelo homem.

Não há espaço para selvageria no mundo dos Selvagens Pensadores. Por aqui, de forma contínua, tratamos de produzir inconscientes. Esta é nossa missão.

Rafael Reinehr

Economia da cultura: do mercado e da proteção à diversidade

A economia da cultura apresenta a visão de uma rede intrincada de bens, serviços, processos e produtos, modificando por completo visões assentadas sobre a oposição binária entre mercado e não-mercado. Faço algumas anotações sobre o tema, tendo em mente a questão da proteção e da promoção da diversidade cultural, incluindo os novos agenciamentos artístico-culturais: 1. Há um […] Continue reading “Economia da cultura: do mercado e da proteção à diversidade”

Uso de software livre nas empresas brasileiras

De acordo com pequisa realizada com mais de mil empresas de diferentes portes, setores e localização, entre os meses de novembro e dezembro de 2007, pela ISF , o Software Livre está presente em 73% das empresas com mais de mil funcionários, contra 31% das menores (até 99 funcionários).

Continue reading “Uso de software livre nas empresas brasileiras”

Dostoievski

Dostoievski é maldito? Essa pergunta não é retórica. Muito menos didática. Realmente fico me perguntando se posso colocá-lo neste espaço e em que nível posso qualificá-lo como maldito. Principalmente pelo atrevimento que significa falar deste russo pra lá de complicado.
Antes de começar este texto sobre Fiódor Dostoievski (1821-1881), tive vontade de simplesmente colocar toda a primeira parte de Memórias do subsolo e deixar que isso fosse tudo. E realmente o é. Eu sou um homem doenteUm homem mau. Um homem desagradável. Cito de memória. Venho tentando escrever de maneira que além de, digamos, “homenagear” os escritores malditos, também situá-los nesse âmbito e, a partir daí, prestar meu culto, de certa forma. Só por isso posso falar de Dostoievski, um escritor que li muito e devagar, mas que é um enigma absoluto para mim. De certa forma, me custa um pouco “desvendar” seu texto. Às vezes, os acadêmicos, temos a pretensão de achar que vamos ir tão fundo que não restará mistério, apesar de dizer que nenhum grande escrito é totalmente decifrado.
Já falei de outros abismos aqui, do poço sem fundo em que somos jogados, quando iniciamos a jornada de uma obra que nos toma, mais do que alicia. Essa é minha história de leitura de Dostoievski. Todas suas obras foram pegas e relegadas por mim, pegas outra vez e relegadas de novo. Até a necessidade de ler se tornar inadiável. Este russo nunca faz com que eu me sinta bem. Talvez seja perda de tempo dizer que é um dos romancistas mais importantes da literatura universal, falar do seus vícios, da escritura febril que exercia para pagar dívidas de jogo, as fases de sua obra entre genial e esquecível, o fenômeno realista. Porém, sabemos que Dostoievski está na profundidade com que vasculhou o mais fundo dos nossos corações e mente e o quanto está imbricado com Nieschtze e Freud. Mas não é novidade que os grandes escritores são também grandes filósofos. Dostoievski não foge à regra, sendo considerado inclusive o fundador do existencialismo. Lendo o seguinte trecho de Memórias do subsolo, pouco se precisa justificar essa denominação:
O homem seja ele quem for, sempre e em toda parte gostou de agir a seu bel-prazer e nunca segundo lhe ordenaram a razão e o interesse; pode-se desejar ir contra a própria vantagem e, às vezes, decididamente se deve (isto já é uma idéia minha). Uma vontade que seja nossa, livre, um capricho nosso, ainda que dos mais absurdos, a nossa própria imaginação, mesmo quando excitada até a loucura – tudo isto constitui aquela vantagem que deixei de citar, que não se enquadra em nenhuma classificação, e devido à qual todos os sistemas e teorias se desmancham continuamente, com todos os diabos! E de onde concluíram todos esses sabichões que o homem precisa de não sei que vontade normal, virtuosa? Como foi que imaginaram que ele, obrigatoriamente, precisa de uma vontade sensata, vantajosa? O homem precisa unicamente de uma vontade independente, custe o que custar essa independência e leve aonde levar…
A angústia do protagonista de Memórias aparece igualmente em Raskolnikov, nos irmãos Karamazov, na idiotice de Míchkin ou na obsessão destrutiva de Nastácia, na dubiedade bem intencionada de Rogójin (sim, adoro O idiota, obra que me fez conhecer Dosta). É a certeza de necessitar fazer algo, mas fazê-lo significa chegar à dissecação. E agora, que há?
O realismo dostoievskiano é puro. Se, por um lado, delineia a sociedade, acusa, expõe, por outro sua análise psicológica, tão cara à estética realista, se afasta do distanciamento do analista que mira a seu paciente. O narrador de Dostoievski está ali, sentido e fazendo sentir profundamente o drama de seus homens e mulheres. Mas também desce tão fundo que igualmente temos de deixar o confortável divã de onde vemos as personagens. Com Dostoievski elas deixam de passar na nossa frente. O realismo humano não é um filme que canaliza nossas dores. Somos também a angústia e a pergunta. Dostoievski é uma estética por si.
Certo, isso não o faz maldito. Para isso está sua vida e o modo de dizer. O que me ocorre é que me parece redutor agora colocá-lo em qualquer sistema. Então, que se saiba que assim se pode vê-lo. E ponto. Se acaso acham que não pode ser assim, terão de voltar a ler o excerto logo acima.
No Brasil, as melhores traduções de Dostoievski têm sido as de Boris Schnaiderman.

Critérios para a convocação da Seleção…

Dunga convocou a Seleção Brasileira. Somente jogadores que atuam no exterior compõem a lista para o amistoso com a atual campeã mundial, Itália. Dos 22 convocados, metade atua no calcio, ou seja, no futebol italiano. Novidades na lista? O retorno de Ronaldinho Gaúcho e a convocação de Felipe Melo [volante da Fiorentina, revelado pelo Flamengo]. De resto, mais do mesmo, ou seja, a base de Dunga permanece. Algo a contestar? Sim, sem dúvida… Fico pensando quais são os critérios de Dunga ao elaborar sua lista.

Continue reading “Critérios para a convocação da Seleção…”

Assédio Sexual. Você sabe identificar os sinais?


Você sabe o que é assédio sexual? Quando uma paquera desvirtua? Quando o assédio se enquadra na Lei n. 10.224/2001? Leia aqui e saiba mais sobre o assunto…

Continue reading “Assédio Sexual. Você sabe identificar os sinais?”