• Home  / 
  • Demografia
  •  /  Pegada ecológica e degradação ambiental no Haiti

Pegada ecológica e degradação ambiental no Haiti

O trágico terromoto que abalou o Haiti, em janeiro de 2010, comoveu o mundo e chamou a atenção para o estado de pobreza e para uma outra antiga tragédia ambiental do país caribenho. No cômputo do aquecimento global o Haiti é um dos países que aparecem com menores taxas de emissão per capita de CO2, pois são apenas 0,2 toneladas emitidas por ano. Para se ter uma comparação, o Brasil emite 1,69 toneladas de CO2 por ano, a República Dominicana emite 2,07 toneladas e, nos EUA, os americanos são uns dos campeões mundiais com a emissão de 19,7 toneladas de CO2 por ano per capita (quase 100 vezes mais do que o haitiano médio).

Em termos de pegada ecológica a situação não é muito diferente. Enquanto a pegada média do mundo era 2,7 hectares globais per capita (gha), em 2005, no Haiti era de 0,5 hectares, e na República Dominicana, no Brasil, e nos Estados Unidos a pegada ecológica era de 1,5 gha, 2,4 gha e 9,2 gha, respectivamente. Portanto, do ponto de vista da emissão de gases de efeito estufa e de impacto do consumo, o Haiti é um país ecologicamente correto e que menos contribui para as mudanças climáticas globais.

Contudo, existe um outro lado dramático da crise ecológica do Haiti que decorre da destruição da espetacular floresta encontrada intacta por Cristóvão Colombo, em 1492. Nas primeiras décadas do século XX, a floresta tropical do Haiti ainda cobria 60% do território nacional. Nos anos 1950 havia caido para 20% e hoje em dia restou apenas 2% da cobertura vegetal do país. A floresta haitiana foi arrancada, pedaço a pedaço, pela ganância econômica e também pelos milhões de pobres do país que não tinham outra fonte de energia e de renda para sobreviver. Segundo estimativas da ONU, cerca de 30 milhões de árvores foram cortadas a cada ano, nas últimas décadas. Como resultado do desaparecimento da vegetação houve redução da fertilidade do solo, aumento da erosão e da desertificação. Assim, as chuvas e os ciclones tropicais (comuns naquela região) aumentam as torrentes de lama e a esterilidade do substrato natural.

Em 1950, a população do Haiti era de 3,2 milhões de habitantes, sendo que 87% viviam nas áreas rurais. Contudo, com a degradação das terras rurais houve um grande êxodo rural-urbano. No ano 2000 a população do Haiti já era de 8,5 milhões, sendo 64% localizada na área rural. Em 2010 a população chegou a cerca de 10 milhões, sendo quase 50% no meio urbano. Sem dúvida a pobreza e a redução da produção agrícola acelerou o crescimento urbano, entretanto, as cidades do Haiti não oferecem alternativas de emprego, pois o país não possui uma economia capaz de absorver o potencial da sua força de trabalho em constante crescimento.

Evidentemente a pobreza do Haiti tem raízes históricas. Eduardo Galeano, por exemplo, no artigo “Os pecados do Haiti”, considera que a tragédia do país é também uma história do racismo na civilização ocidental. Galeano considera que os negros do Haiti deram uma tremenda sova nas tropas de Napoleão Bonaparte, em 1803, e a Europa jamais perdoou esta humilhação infligida à raça branca. Nem sequer Simón Bolívar teve a coragem de firmar o reconhecimento diplomático do país negro em sua época. Galeano afirma que os Estados Unidos ocuparam o Haiti entre 1915 e 1934 com dois objetivos: cobrar as dívidas do City Bank e abolir o artigo constitucional que proibia vender plantações aos estrangeiros. Nas últimas décadas sucessivas ditaduras mantiveram o país na pobreza e longe do desenvolvimento.

Com certeza todos os fatos históricos explicam o alto grau de analfabetismo da população, a elevada mortalidade infantil, a falta de emprego, as péssimas condições de saneamento e moradia, etc. A insegurança alimentar é enorme e o país em sido palco de constantes revoltas por causa da fome A população haitiana não tem acesso aos direitos básicos de cidadania e encontra-se em situação caracterizada como “armadilha da pobreza”.

Dados da Divisão de População da ONU (revisão 2008) mostram que por falta de acesso à educação e à saúde o crescimento populacional do Haiti é alto, em decorrência das elevadas taxas de fecundidade e também do elevado número de gravidez indesejada. A estrutura etária é jovem e a razão de depedência é elevada. Atualmente a densidade demográfica é de cerca de 350 habitantes por quilometro quadrado, a mais alta das Américas. No Haiti, devido à pobreza, o consumo de bens e serviços per capita é baixo, mas a pressão populacional sobre os recursos naturais é elevada.

Como mostrou biólogo Jared Diamond no seu livro “Colapso – como as sociedades escolhem o fracasso ou o sucesso” muitas sociedades do passado depararam com os efeitos danosos do desmatamento. A ilha de Páscoa fornece o exemplo mais dramático do passado, pois é um exemplo de uma sociedade que se destruiu por abusar de seus recursos naturais. Além dos impactos ambientais humanos – desmatamento e extinção das aves – houve os fatores políticos, sociais e religiosos e a impossibilidade da emigração como alternativa de escape. O foco na construção de estátuas e a competição entre clãs e chefes induzindo a construção de estátuas cada vez maiores, requerendo mais madeira, mais cordas e mais alimentos, se assemelha ao drama da população do Haiti que tem uma elite econômica e política que não é capaz de dar um rumo para o país e a população se vê forçada a tirar da terra aquilo que a natureza já não pode mais dar e não tem tempo de renovar.

Desta forma, além de merecer a solidariedade internacional, o Haiti jamais poderá ser acusado de contribuir para o aquecimento global. Porém, mesmo com toda a ajuda estrangeira, no curto prazo o povo haitiano não deixará de sofrer as consequências da degradação ambiental provocada por pressões demográficas e econômicas que tem seus fundamentos na história. A situação do Haiti mostra que uma avaliação ambiental de um país não pode ser realizada somente pela quantificação da emissão de CO2 e pela pegada ecológica. Existem outros indicadores que precisam ser considerados.

Por fim, o Haiti deveria servir de exemplo para o Brasil, pois embora a pegada ecológica per capita do brasileiro esteja abaixo da média mundial, o país também não tem um histórico de proteção de sua cobertura vegetal. O Brasil não possui terremoto e nem ciclones nas dimensões do Haiti, mas a “ferro e fogo” praticamente acabou com a Mata Atlântica, já destruiu boa parte do Cerrado e avança na destruição da Amazônia. Neste ritmo, e sem querer exagerar, em um futuro não muito distante, poderemos correr o risco de tornar verdade as palavras de Caetano Veloso: “O Haiti é aqui”.

Referencias:
WWF, Planeta Vivo 2008
http://assets.panda.org/downloads/lpr_2008_portuguese_final_lores_2_.pdf
ONU, World Population Prospects: The 2008 Revision
http://esa.un.org/unpp
Haiti, o país da floresta perdida
http://www.ecodebate.com.br/2010/01/29/le-monde-haiti-o-pais-da-floresta-perdida/
Eduardo Galeano – Os pecados do Haiti
http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMostrar.cfm?materia_id=16342
Jared Diamond, Colapso – como as sociedades escolhem o fracasso ou o sucesso
http://www.comciencia.br/resenhas/2005/11/resenha2.htm

About the author

José Eustáquio Diniz Alves