O que o axé e o funk devem a Elvis Presley?

 alt

A mentalidade humana é mutante. Nossos gostos, desejos e sonhos são também mutantes. Tais mudanças se dão por conta do conjunto de valores coletivos de uma sociedade, que também se modificam de acordo com as forças históricas – ideias, conjunturas políticas ou econômicas. O homem medieval era um, o homem do renascimento outro, o homem do século XIX era outro totalmente diferente desses, que também é muito diferente de nós (contemporâneos). No início do século XX, calças cumpridas eram exclusivas para homens. Quando a primeira mulher ousou usá-la, todos ficaram chocados. Quando Leila Diniz foi pela primeira vez a praia exibindo sua gravidez (com a barriga de fora), todos acharam um absurdo. Hoje é a coisa mais comum, tanto mulheres vestindo calças quanto grávidas em praias. Concluo com isso que o problema não está na ação ou no objeto, ou até mesmo no sujeito – está na concepção mental da sociedade (ou seja, do conjunto dos indivíduos, influenciados pelas instituições). Quando o rock surgiu no início dos anos 50, logo se tornou um estilo transgressor das convenções sociais – uma vez que o termo rock n´roll era na época uma gíria para sexo. Os adolescentes e jovens da época ávidos por representação, se identificaram com a rebeldia, com a diversão, com a jovialidade, com o estilo e muito mais do que um novo filão de mercado (capitalismo), surgia uma forma de vida. Um dos expoentes desse novo estilo era um jovem rapaz, caipira e esbelto, que com seu carisma e atitudes – isso sem contar sua voz grave – se tornaria o “rei do rock”, Elvis Presley. Muito já foi dito sobre ele – desde as teorias de que ele ainda está vivo à seu culto pós-morte, da crítica de seus discos à sua decadência no fim de carreira – as várias biografias, artigos e ensaios escritos ao longo dos anos. Porém ninguém ainda escreveu sobre sua contribuição para formatação do funk carioca e do axé music. E isso é o mais intrigante, é o fato da influência de Elvis extrapolar seu estilo musical (o rock), as fronteiras de seu país (EUA) e principalmente o tempo (anos 50 aos anos 80), apenas evidencia a grandeza desse artista. Só para avisar os mais apressados, a influência de um artista não se dá apenas por sua atividade principal (nesse caso a música), mas também comportamental, conceitual, etc. Embora na gênese do axé music haja a presença da guitarra elétrica (Osmar e Dodô – e depois Chiclete com Banana) – aqui eu me refiro à questão comportamental – e especificamente corporal. Elvis não era à toa conhecido como “Elvis, The Pelvs”, o apelido era propositalmente pelo fato dele dançar movendo de forma expressiva os quadris. Não podemos nos esquecer que os Estados Unidos da época era governado por Dwight Eisenhower (republicano – conservador), era também a época da Guerra Fria e do Macarthismo. O conservadorismo americano estava no seu auge. Logo, a imagem de um homem branco, cantando e dançando música de negros, mexendo os quadris e incentivando os jovens a fazerem o mesmo, era demais transgressor. Tanto que em uma apresentação na TV, a emissora após Elvis começar a dançar, passou a exibi-lo apenas em busto – para evitar que a cena entrasse nos lares americanos. As reboladas de Elvis atravessaram o tempo – e resistiram ao auge da histeria puritana, tanto que com o passar do tempo – principalmente após a revolução dos costumes (os loucos anos 60), Elvis já não sofre mais com a censura com sua libidinosa dança. Se Elvis tivesse se dobrado a censura e ao conservadorismo, nem David Bowie, nem Madonna, nem Lady Gaga, nem o R&B, e nem o axé e o funk existiriam da mesma maneira como existem. Tudo o que vemos na tevê hoje como normal – garotas com roupas mínimas dançando no Gugu, no Faustão, no Huck ou no Faro, não seriam possíveis sem Elvis e sem a mudança de mentalidade forçada por sua atitude. Até a lambada (não citada aqui) deve a Elvis sua postura de explicitude sexual – que tanto influenciou o axé quanto o funk. É muito nítido que a “dança da garrafa”, “dança da bundinha”, “a mão boba” e “o créu” – camuflam sexo e entram na tevê (e nos lares) sem qualquer problema. Não apenas as letras trazem o sexo, a dança exibe o sexo nitidamente, nas posições, nos passos, nos compassos, sejam em danças sós ou acompanhadas. As dançarinas hoje triunfam e rebolam suas “frutas” – jacas, melancias, peras – a partir de um caminho aberto pelo rei do rock, Elvis. Agora eu pergunto, o que seriam do axé e do funk carioca se não fosse seu componente visual? O que seriam desses estilos musicais se todo imaginário aguçado pelas letras não fosse materializado pelas danças? Então, mc´s, cantores de axé, dançarinas e dançarinos, bondes e grupos em geral, agradeçam a Elvis Presley por existirem, ou melhor, por rebolarem, pois se não fosse por seu pioneirismo, vocês seriam ou recatados ou movimentalmente frustrados, ou seriam simplesmente mais uns entre tantos.

alt

alt

 

 

About the author

Marlon Marques Da Silva

Filósofo, tio de duas sobrinhas, santista. Professor da rede pública (ETEC); estudei: História (UNG); Filosofia (USP), Pedagogia (Faculdade Brasil/USP-Leste); Política internacional (FESP); Políticas Públicas de Educação (INEQ); História da Arte (MASP). Alinhado ao campo marginal da filosofia ao lado de Demócrito, Lucrécio, Spinoza e Nietzsche.