Porque copiam os Beatles?

 altaltaltalt

alt

 

Nelson Rodrigues disse que “toda unanimidade é burra” – isso significa que não necessariamente a maioria o seja. Os Beatles não são unanimidade, e nem nunca foram. Entretanto, é indiscutível a qualidade e a influência do grupo britânico não só no rock como na música pop do restante do século XX (a partir da década de 60) e do século XXI. Gente como o articulista do Yahoo Dafne Sampaio não vê valor algum nos Beatles – já pessoas como eu o consideramos o maior grupo musical da história. E como se mede isso? Não fiz nenhuma pesquisa universitária e nem fiz leituras ou consultei “especialistas” – usei apenas um pouco de dedução, imaginação e suposição para chegar a essa conclusão. A música feita pelos Beatles serve de parâmetro para quase tudo de 1965 para cá – exemplos: The Byrds, The Kinks, Oasis, Pulp, Jovem Guarda, etc. Além da quantidade de artistas que regravaram suas músicas, o número de tributos e homenagens feitas em estilos tão diferentes como Salsa, Guarânia, Eletrônica, Dub, Country, Jazz, etc. Os Beatles trouxeram renovação ao rock – pois romperam com o esquema tradicional dos anos 50, incorporando novos métodos de composição, arranjos mais sofisticados, efeitos de estúdio, álbuns conceituais, música indiana – misturando, confundindo e influenciando toda uma geração. Mesmo após 40 anos do fim da banda, os Beatles continuam gerando audiência, mídia e dinheiro. E por quê?

alt

 

alt

alt

 

Bom, primeiro pela qualidade indiscutível. Segundo porque é atemporal – ou seja, sua música comunica-se com qualquer geração, e não ficou apenas confinada aos saudosistas hippies dos anos 60. São canções que entraram no repertório popular – de “Lucy In The Sky With Diamonds” a “Yellow Submarine”, passando por “Across The Universe”, “Heres Come The Sun” e “Twisted And Shout”. São canções que serão ouvidas eternamente – porque transcendem o tempo por tratarem de temas universais. E de tanto cada geração falar delas (e ouvi-las), o interesse pelas gerações vindouras aumenta. As canções beatlenianas estão em tudo – comerciais de TV, festas, rádios, novelas, filmes, etc. E aí reside a diferença entre os Beatles e seus “concorrentes”. Elvis Presley com certeza é um ícone da música do século XX também, mas o interesse geral por sua música é sazonal (com isso estou descontando todo o culto que existe em torno de sua figura). Madonna é chamada de rainha do pop – mas não se fala mais tanto dela assim! Michael Jackson voltou às manchetes por sua morte, mas seu legado (importantíssimo por sinal) não pode ser comparado com a da banda britânica. E quanto aos Stones, Bob Dylan, Neil Young, The Doors, Pink Floyd, Lez Zeppelin, Jimi Hendrix, entre outros? Continuam cultuados? Claro que sim – tanto os vivos, quanto os mortos – mas eles não estão por aí a todo momento – pois sua influência não é tão nítida quanto a dos Beatles.

alt

alt

 

alt

alt

alt

Todos esses são grandes artistas – talvez até eternos como os Beatles – mas não são copiados como estes e muito menos entraram com tanta profundidade para a cultura pop. Sim, os Beatles transcenderam a música, pois influenciam a arte também. Por sinal outra inovação do Fab four. A capa do revolucionário Sgt. Peppers é com certeza uma obra-prima da pop art (por extensão). É um dos modelos de capas mais copiados de todos os tempos. E se enganam se pensam que só a capa do Sgt. Peppers é copiada – não, há toda uma sub-cultura que envolve as capas de “Let It Be” e principalmente “Abbey Road”.  Platão diz que as idéias existem independentemente de nós as pensarmos e que como já existem, um dia virão à tona porque serão pensadas por alguém. Então sob essa condição, eu penso que se essas capas não tivesse sido pensadas por eles, seriam pensadas por outros – mas a realidade desmente a teoria, porque então ninguém mais pensou em capas tão geniais que pudessem ser copiadas a exaustão? Porque só os Beatles são os Beatles! E se pensarmos bem, até que algumas são capas comuns, idéias simples – mas que levam a assinatura de serem dos Beatles. E que a partir daí trazem em si um legado, uma referência, uma qualidade quase dogmática. Só se torna um modelo, um parâmetro, aquilo que é bom, aquilo que vende – e por isso os Beatles são copiados até hoje. São como os grandes mestres do Renascimento, ou os compositores clássicos, ou os craques do futebol do passado – servem como “guias”, pois apontaram caminhos, foram por estradas inéditas, e sobretudo porque ousaram. Sim, os Beatles foram extremamente ousados. Romperam com seu tempo e como aponta o crítico Harold Bloom – os gênios se criam por ousarem romper e ultrapassar seus antecessores. Os Beach Boys até tentaram competir – lançando o genal “Pet Sounds” para rivalizar com Revolver. Mas não conseguiram realizar algo maior do que Sgt. Peppers e ficaram pelo caminho. Já os Beatles superam todos – incrivelmente todos os que vieram antes e depois deles, e assim está sendo a história da música pop e do rock há 40 anos – data do fim da banda. Veja – que outra banda conseguiu lançar em seqüência álbuns tão genais e importantes com eles (Rubber Soul, Revolver, Sgt. Peppers, Magical Mystery Tour, White Album, Yellow Submarine, Abbey Road e Let It Be)? O Nirvana e o Radiohead foram bandas que mexeram com as estruturas do pop – mas assim como Elvis são sazonais – vemos camisas deles por aí, mas não transformaram nada, não viraram parâmetro e a qualidade de ambos não é assim tão indiscutível. Resistir ao tempo é realmente para poucos, influenciar quase todos é ainda mais restrito, agora se tornar referência de arte de capa é feito só para os Beatles. “Beatles live forever!” 

alt

alt

alt

alt

alt

 alt

 

 

 

 

 

 

altaltaltaltaltaltaltaltalt

About the author

Marlon Marques Da Silva

Filósofo, tio de duas sobrinhas, santista. Professor da rede pública (ETEC); estudei: História (UNG); Filosofia (USP), Pedagogia (Faculdade Brasil/USP-Leste); Política internacional (FESP); Políticas Públicas de Educação (INEQ); História da Arte (MASP). Alinhado ao campo marginal da filosofia ao lado de Demócrito, Lucrécio, Spinoza e Nietzsche.