All posts in "Arte e Cultura"
Share

A história do diabo

By Marcos Schmidt /

No provocativo A história do diabo (1965, ed. Annablume), o filósofo Vilém Flusser chama de influência diabólica tudo aquilo o que insere as coisas no tempo. O oposto, a influência divina, seria tudo aquilo que retira as coisas do tempo (e consequentemente da história). A influência diabólica, portanto, é a própria vida, e o que […]

Share

Simão Bacamarte que nos decifre

By Marcos Schmidt /

Simão Bacamarte que nos decifre. E que nos interne, afinal. Difícil fazer a leitura dos fatos que se sucedem em Pindorama. Todos falam, vociferam, definem, concluem e solucionam os nossos impasses e problemas com a certeza de matemáticos. De minha parte, exponho-me ignorante e alienado diante de tantos sábios que se inclinam à direita ou […]

Share

50 anos de 2001: Uma Odisseia no Espaço

By Marcos Schmidt /

Imagine-se a sequência da Alvorada do Homem com a seguinte narração em off: “Eles eram filhos da floresta – coletores de sementes, frutos e bagas. Mas a floresta estava morrendo, derrotada por séculos de seca, e eles estavam morrendo com ela. Nesse novo mundo de planícies abertas e arbustos atrofiados, a busca por alimento era […]

Share

Sobre capas de discos

By Marcos Schmidt /

Cheguei a comprar alguns álbuns – discos de vinil, na época – por causa da capa. Quando se é moleque, o impacto de uma ilustração afinada com o sonhado espírito de ser um “adulto” é avassalador. Ficava babando nas lojas de disco por causa de um álbum como Piece of mind, do Iron Maiden, em […]

Share

Lovecraft (III)

By Marcos Schmidt /

Talvez haja uma lição política em Lovecraft, uma lição que mistura psicologia e política. Grupos hegemônicos fazem uso daqueles que consideram indignos e inferiores para executar o serviço sujo que garante que esses mesmos grupos hegemônicos permaneçam com sua mitologia de pureza e limpeza. Conhecemos isso no Brasil: quando os militares da ditadura fizeram uso […]

Share

Lovecraft! (II)

By Marcos Schmidt /

Pensava-se que H. P. Lovecraft fora uma espécie de ermitão, que vivia isolado e que, com uma única exceção, jamais saíra de Providence, sua cidade natal. Hoje, sabemos que isso passa longe dos fatos: Lovecraft viajou muito, por todo o país, e quase foi à Cuba em certa ocasião, abortando a viagem pela necessidade de […]

Share

Lovecraft! (I)

By Marcos Schmidt /

Conheci H. P. Lovecraft quando tinha 15 anos, em 1986. Lembro que um amigo comprou o livro publicado pela Martins Fontes, A Casa das Bruxas, e eu tirava sarro da cara dele por causa da capa e do nome ridículos que o livro que ele comprara ostentava. Passou um tempo e li um artigo no […]

Share

O inquietante e a cinza

By Marcos Schmidt /

Das Unheimliche. O inquietante de Freud. Conceito que abarca uma coisa e seu contrário. Como o cinza. Como a cinza. Que é o resto que se eleva, que se move pelo ar, e que torna a cair e a elevar-se, se deixada de acordo com os ritmos da natureza. Francis Bacon usava a poeira que […]

Share

Juventude é uma banda numa propaganda de refrigerante

By Marcos Schmidt /

Quando dos 30 anos da morte de Adoniran Barbosa, o comentário de um nome hypado da nossa música me chamou a atenção. O rapper, porque era um rapper o nome hypado da nossa música, disse que o que mais apreciava em Adoniran era o fato de que ele era “um ícone pop radical”. Encafifado, imaginei […]

Share

Queremos guerra!

By Marcos Schmidt /

Estamos procurando por uma guerra. Uma guerra civil aberta, deflagrada, que não a tivemos. Ansiamos por ela, é um desejo latente, inconfesso, obsceno. Queremos a guerra que nunca tivemos, queremos acertar as contas uns com os outros, queremos apagar o vizinho diferente, esquisito, o vizinho que nos incomoda. Exterminá-lo. Queremos a guerra civil, isto é […]

Page 4 of 10