All posts in "Ronda Noturna 2.0"
Share

Lovecraft! (I)

By Marcos Schmidt / 20/04/2018

Conheci H. P. Lovecraft quando tinha 15 anos, em 1986. Lembro que um amigo comprou o livro publicado pela Martins Fontes, A Casa das Bruxas, e eu tirava sarro da cara dele por causa da capa e do nome ridículos que o livro que ele comprara ostentava. Passou um tempo e li um artigo no […]

Share

O inquietante e a cinza

By Marcos Schmidt / 13/04/2018

Das Unheimliche. O inquietante de Freud. Conceito que abarca uma coisa e seu contrário. Como o cinza. Como a cinza. Que é o resto que se eleva, que se move pelo ar, e que torna a cair e a elevar-se, se deixada de acordo com os ritmos da natureza. Francis Bacon usava a poeira que […]

Share

Juventude é uma banda numa propaganda de refrigerante

By Marcos Schmidt / 06/04/2018

Quando dos 30 anos da morte de Adoniran Barbosa, o comentário de um nome hypado da nossa música me chamou a atenção. O rapper, porque era um rapper o nome hypado da nossa música, disse que o que mais apreciava em Adoniran era o fato de que ele era “um ícone pop radical”. Encafifado, imaginei […]

Share

Queremos guerra!

By Marcos Schmidt / 16/03/2018

Estamos procurando por uma guerra. Uma guerra civil aberta, deflagrada, que não a tivemos. Ansiamos por ela, é um desejo latente, inconfesso, obsceno. Queremos a guerra que nunca tivemos, queremos acertar as contas uns com os outros, queremos apagar o vizinho diferente, esquisito, o vizinho que nos incomoda. Exterminá-lo. Queremos a guerra civil, isto é […]

Share

Tempus edax rerum

By Marcos Schmidt / 02/02/2018

Um tataraneto, ou algo assim, de Richard Wagner decidiu escrever um livro para limpar o nome do compositor. Não funcionou. O livro ele escreveu, limpar o nome do parente é que foi impossível. Wagner era anti-semita e, de acordo com alguns contemporâneos, acima de tudo um mau-caráter. Já sua música, é outra história. Devemos analisá-la […]

Share

Da pedra à nuvem

By Marcos Schmidt / 26/01/2018

O que sabemos da arte rupestre, da arte do paleolítico? Quase nada. Podemos, e tentamos, inferir alguma coisa cruzando arqueologia, antropologia, paleontologia, psicologia, sociologia, teoria da arte, história, intuição, e o que mais dispusermos, e, no entanto, jamais sairemos do campo das especulações. Temos os desenhos nas paredes, as estatuetas, os artefatos e silêncio. Não […]

Share

Um tema e duas abordagens

By Marcos Schmidt / 19/01/2018

O tema é o mesmo: Saturno devorando um de seus filhos. Mas o tratamento dispensado por Rubens e Goya é totalmente distinto, e talvez revele algo da personalidade de cada um. Grosseiramente: temendo que um deles acabe por tomar o seu lugar, o que de fato ocorre, Saturno, ou Cronos, põe-se a comer cada um […]

Share

Sobre tigres e homens

By Marcos Schmidt / 12/01/2018

Leio na revista New Scientist que o tigre de Sumatra está a caminho de extinguir-se. De 2000 até 2012, a população caiu 16,6%, e as florestas onde habitam encolheram 37% no mesmo período. Há 70 anos havia 12 populações viáveis, isto é, com pelo menos 25 fêmeas por grupo. Restam apenas duas. A situação das […]

Share

F de Falso

By Marcos Schmidt / 05/01/2018

Tenho profunda simpatia pelos falsários da arte. Diria mesmo admiração. Um sujeito talentoso, metódico, observador, detalhista, engenhoso, sem vergonha, mentiroso e ousado. Opinião oposta tem o circuito artístico. Para os envolvidos na engrenagem, o falsário desmascarado é pior e mais fedorento do que Satanás, Belzebu e Asmodeus juntos. Acho que era Gombrich que afirmava que […]

Share

O cão de guarda de Felipe Próspero

By Marcos Schmidt / 29/12/2017

Podemos, sem grande dificuldade, perceber tipos diferentes de silêncio. O silêncio grave, o silêncio solene, o silêncio constrangedor, o silêncio do espanto, o silêncio da culpa, e por aí seguimos. Há o silêncio de Deus, marca registrada de Ingmar Bergman, que é menos um silêncio do que um diálogo disfuncional, no qual uma das partes […]

Page 1 of 4