• Home  / 
  • Hypocrisis
  •  /  Palocci é o modelo ético do brasileiro: a mais perfeita e acabada hipocrisia.

Palocci é o modelo ético do brasileiro: a mais perfeita e acabada hipocrisia.

Em carta ao Partido dos Trabalhadores, divulgada pela imprensa, Antônio Palocci Filho faz um “mea culpa” de dar pena. Demonstra, cabalmente, que vivemos sob a égide do “tudo é válido, até que me peguem”! Decide colaborar com a Justiça “por acreditar ser este o caminho mais correto a seguir”.

É a ética do pós. Acredita após. Assume os erros (“sei dos erros e ilegalidades que cometi e assumo minhas responsabilidades”) como bom cristão que deve ser, esperando, assim, ser perdoado, senão pela Justiça, pelos homens de índole igual a sua. É a ética do pecado: cometa-o, mas desde que te arrependas depois!

Há um momento lapidar na carta: “Alguém já disse que quando a luta pelo poder se sobrepõe à luta pelas ideias, a corrupção prevalece”.

Esse é o justo momento que separa os verdadeiros dos falsos éticos. É quando se nos impõe a escolha entre a luta pelo poder e a luta pelas ideias. E poder, aqui, pode ser qualquer um, desde quem manda mais em casa ou nos filhos, nos colegas de trabalho, no trânsito, até mesmo diante de uma barata.

Vai mais longe, ao afirmar que “Chegou a hora da verdade para nós”! Uma declaração irrefutável de que consideram que a verdade tem hora: a hora de serem pegos. Sempre pensando no “quem sabe não nos pegam?”.

Assim vivemos. O que vale é o “arrependimento”. Se não precisamos nos arrepender, façamos tudo o que está ao nosso alcance para nosso benefício. Danem-se as ideias.

Pelo relato da carta, Palocci teve inúmeros momentos e razões para abandonar o partido e não cometer os erros que diz ter cometido. Mas preferiu, mesmo assim, seguir no caminho da hipocrisia, a hipocrisia de não ser ético até ser pego.

(inteiro teor da carta: aqui

(imagem do Google Imagens)

About the author

Luiz Afonso Alencastre Escosteguy

Apenas o que hoje chamam de um idoso. Parodiando Einstein, só uma coisa é infinita: a hipocrisia. E se você precisou saber meu "currículo" para gostar ou não do que eu escrevo, pense bem, você é sério candidato a ser mais um hipócrita!