Saradofobia

Saradofobia

“VOCÊ VIU AQUELA BARRIGA?” se eu ouço essa pergunta – feita naquele tom de admiração – a primeiríssima coisa que passa pela minha cabeça é: esse cara só deve comer açaí. Dizem as más línguas que cada pessoa tem um “tipo” o meu tipo é qualquer ser humano que não tenha gominhos na barriga (e que não seja bolsominion, né mores).

Eu tenho pavor de homem sarado. Fobia. Saradofobia. Eu só consigo pensar no quanto ele vai me julgar quando eu estiver aguando por um superultramegapower hambúrguer (veggie) na sexta, ou quando eu pedir pizza em dobro na terça. E na segunda que dá aquela famosa preguiça de malhar? Ou pior, com quem eu vou tomar meu chopp em dobro na quinta? Você pede um vem outro, como fazer isso sem uma dupla?

Deus me livre dos homens sarados. Acho lindo, confesso. Mas longe de mim. Não tenho nada contra não, até tenho amigos que são (e amigxs que pegam). Mas respeito né. Longe de mim. Não vai querer ficar sem camisa na praia ostentando o tanquinho perto da minha canga, não. Imagina o que as crianças vão pensar? Que é normal ser sarado? Que quem tá errada sou eu que pago 6 meses de academia e só vou nas primeiras duas semanas?

Bons tempos de Tinder em que eu olhava aquele cara super gato e sarado e pensava: agora eu vou superar os meus medos. Ia lá, dava like. Mas depois dava uma preguiça eterna de puxar assunto. Ás vezes até de responder o tímido “oi”. Nunca vingou. Na verdade os Tinderellos da vida merecem um artigo só pra eles, porque olha… Uma baita experiência antropológica.

Enfim, que me desculpem os sarados mas gordurinha é fundamental. Xau, beijos.

About the author

beaschau

Apenas mais um mamífero com telencéfalo altamente desenvolvido que decidiu largar o Direito para cozinhar e escrever.